Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Amar Portugal

Porque amo este país que não me viu nascer e me senti inspirada pelas "Paisagens de Portugal" do Sapo Blogs.

Amar Portugal

Porque amo este país que não me viu nascer e me senti inspirada pelas "Paisagens de Portugal" do Sapo Blogs.

Direitos de autor

Todas as imagens deste blogue são da autoria de Isa Nascimento, estando protegidas por Direitos de Autor. Se as partilhar, deverá identificar a sua origem.

Viseu | Rua Direita

21
Fev22

A Rua Direita é a artéria comercial mais conhecida e emblemática da cidade de Viseu.

Com cerca de 500 metros de extensão, era o principal eixo viário da cidade já no período romano (há 2000 anos).

20211218_170833

 

Na época medieval era designada como a Rua das Tendas, por ser, tal como hoje, a principal rua comercial do burgo medieval.

No século XV, o seu nome foi alterado para o atual Rua Direita, pelo facto de ligar diretamente duas das portas da cidade, a extinta porta de São José e a Porta dos Cavaleiros, e não por ser reta (está muito longe disso).

 

Ao longo de toda rua são visíveis casas sobradas, casas senhoriais, janelas manuelinas e inúmeras lojas comerciais tradicionais, verdadeiramente à moda antiga, que coabitam com anúncios de neón, restaurantes modernos e estabelecimentos de marcas modernas.

Quem sabe para que servem estas peças?

Viseu | Adro da Sé

15
Fev22

A coroar o Adro da Sé ergue-se a magnífica Igreja da Misericórdia edificada no século XVI e que se avista de quase toda a cidade. Foi requalificada no século XVIII, adquirindo então a feição e a majestosidade barroca que ainda hoje mantém.

20211218_162458 

Mesmo em frente à Igreja da Misericórdia encontra-se a Catedral de Viseu, do século XII e alvo de várias intervenções ao longo dos séculos.

A fachada maneirista veio substituir a manuelina, que ruiu em 1635, e o interior conta com uma abóbada manuelina e um claustro renascentista. As grandes torres dão-lhe um aspeto de igreja fortificada e fazem desta Catedral um marco fundamental da paisagem de Viseu.

20211218_162601


20211218_162646

Apenas no século XVIII foram acrescentados o claustro superior e a famosa Varanda dos Cónegos, que é possível visitar juntamente com o Museu “Tesouro da Catedral”. 

 

No centro do Adro da Sé encontra-se ainda um pelourinho em granito com cerca de 5 metros de altura e 6 degraus também em granito.

 20211218_165929

 

      20211218_163720

Viseu | Chafariz de São Francisco e Porta dos Cavaleiros

10
Fev22

Construído no Século XVIII no início da Rua do Arco, junto de um dos poucos trechos da antiga muralha Afonsina ainda existentes em Viseu, o Chafariz de São Francisco, em granito, é constituído por duas fontes e a imagem de São Francisco na zona central, entre outros motivos decorativos. Nas costas apresenta um importante painel de azulejos, datados da década de 1930 e recentemente recuperados.

Logo ao lado encontramos uma das antigas entradas da cidade medieval de Viseu, a Porta dos Cavaleiros, uma das duas portas que ainda restam das sete que constituíam a muralha construída em 1472 para proteção da cidade.

 20211218_153921

 

 

No seu conjunto formam um recanto de singular beleza, imortalizado por Camilo Castelo Branco na obra “Amor de Perdição”, pois foi neste local que o autor retratou o confronto mortal entre Simão Botelho e Baltazar Coutinho.

 

 

 

20211218_153905

Viseu | Rotunda da Fonte Luminosa

24
Dez21

Há pelo menos duas décadas que Viseu é a "cidade das rotundas". Não é só fama, tem mesmo proveito... 

Em pleno coração da cidade encontra-se uma das mais antigas e mais belas, a Rotunda da Fonte Luminosa  situada no Rossio, a praça principal de Viseu, onde também se encontra o edifício da Câmara Municipal.

Esta fonte é sempre bonita, mas à noite e em época natalícia é belíssima.

 

20211218_171544

 

Lisboa | Monumento ao Calceteiro

25
Nov21

O Monumento ao Calceteiro, da autoria de Sérgio Stichini, é uma obra de homenagem a esta figura típica de Lisboa na execução da sua arte, a tão conhecida calçada artística portuguesa.

Com uma área de cerca de 30 m2, traduz um conjunto escultórico composto por duas estátuas de corpo inteiro, em bronze, (um calceteiro a cortar pedra e um ajudante com um maço a bater a pedra), enquadradas por um trabalho em calçada portuguesa, representando uma barca de São Vicente, símbolo de Lisboa, realizada, com mais de 10.500 pedras, pelos calceteiros municipais.

Esta estátua foi inaugurado na Rua da Vitória em Dezembro de 2006 e recolocada na Praça dos Restauradores, junto ao Hotel Avenida Palace, em Junho de 2017.

Pavimento: Barca de São Vicente em calçada portuguesa

Fonte: Diretório da Cidade de Lisboa

20180213_154722

20180213_154802