Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Amar Portugal

Porque amo este país que não me viu nascer e me senti inspirada pelas "Paisagens de Portugal" do Sapo Blogs.

Amar Portugal

Porque amo este país que não me viu nascer e me senti inspirada pelas "Paisagens de Portugal" do Sapo Blogs.

Direitos de autor

Todas as imagens deste blogue são da autoria de Isa Nascimento, estando protegidas por Direitos de Autor. Se as partilhar, deverá identificar a sua origem.

Sintra | Palácio de Monserrate | Interiores

25
Jun21

Depois de vos apresentar os magníficos jardins e exteriores do Palácio de Monserrate, termino finalmente a partilha sobre este espaço tão especial no coração da Serra de Sintra, ao qual as minhas fotografias não fazem a devida justiça.

Sobre os interiores, para além do enorme detalhe de toda a decoração, marcou-me o facto de não haver portas entre os espaços comuns. Apenas os quartos de dormir e a biblioteca estão "resguardados" por uma porta. Achei muito interessante o conceito por detrás desta escolha, que remonta a 1846... 

Em 2000, a Parques de Sintra recebeu a gestão de todo o espaço e começava uma profunda intervenção de reabilitação de coberturas e fachadas, e a instalação de novas redes de infraestruturas, que permitiram a reabertura do palácio em 2010. O restauro dos interiores decorreu, à vista dos visitantes, até 2016. Atualmente, o palácio está totalmente restaurado e recuperou o esplendor de outrora. No âmbito da sua recuperação global, a Parques de Sintra encontra-se agora a trabalhar na musealização e tem vindo a adquirir peças que evoquem, não só, a importante coleção de arte, como também a vivência da família Cook em Monserrate.

20200816_131209.jpg

20200816_131225.jpg

20200816_131533.jpg

20200816_132015.jpg

20200816_132601.jpg

20200816_132611.jpg

20200816_133839.jpg

20200816_135245.jpg

 

Sintra | Palácio de Monserrate | Exteriores

04
Mai21

É em 1846, depois de muitos proprietários, histórias, recuperações e abandonos, que Francis Cook, um comerciante inglês e colecionador de arte, se torna o proprietário da Quinta de Monserrate e o 1º Visconde de Monserrate. Ali manda edificar um palácio que combina influências góticas, indianas e sugestões mouriscas. Os motivos exóticos e vegetalistas da decoração interior prolongam-se harmoniosamente no exterior, que também foi reformulado e transformado num dos mais belos jardins botânicos portugueses.

O Governo Português adquiriu a propriedade e o palácio em 1949. Posteriormente, em setembro de 1978, o Palácio de Monserrate, com os seus jardins e mata, foram classificados como Imóvel de Interesse Público. São parte integrante da zona “inscrita" da Paisagem Cultural de Sintra, classificada pela UNESCO como Património Mundial da Humanidade em 6 de dezembro de 1995.

Em setembro de 2013, a recuperação do espírito romântico do Parque de Monserrate foi reconhecida internacionalmente como o melhor restauro de um jardim histórico na 4.ª edição do concurso European Garden Award, na categoria “Best Development of a Historic Park or Garden” (Melhor Desenvolvimento de um Parque ou Jardim Histórico).

20200816_135615.jpg

20200816_135428.jpg

20200816_135519.jpg

20200816_130540.jpg

20200816_130555.jpg

20200816_130654.jpg

20200816_130739.jpg

 

20200816_135946.jpg

20200816_140211.jpg

 

 

 

 

Dia Mundial da Terra | 22 de abril 2021 | Jardins de Monserrate | Sintra

22
Abr21

É em plena serra de Sintra que podemos encontrar os exuberantes jardins do Parque de Monserrate. 

Foi uma das visitas que mais gostei de fazer.💚

Constituindo uma das mais notáveis criações paisagísticas do Romantismo em Portugal, o Parque de Monserrate recebeu espécies vindas de todo o mundo, que foram organizadas por áreas geográficas, refletindo as diversas origens das plantas e compondo cenários ao longo de caminhos, por entre ruínas, recantos, lagos e cascatas. É assim, sobretudo graças à intervenção do paisagista William Stockdale, do botânico William Neville e do mestre jardineiro James Burt mas, acima de tudo, ao espírito romântico de Francis Cook, que podemos hoje encontrar no Parque de Monserrate cenários contrastantes que, ao longo de caminhos sinuosos e em convívio com espécies espontâneas da região, como os medronheiros de porte arbóreo, os já muito raros azevinhos e os imponentes sobreiros, surgem ancestrais fetos arbóreos e araucárias, agaves e palmeiras que recriam um cenário do México, camélias, azáleas, rododendros e bambus, lembrando um jardim do Japão.

20200816_125826.jpg

20200816_130522.jpg

20200816_130632.jpg

20200816_123356.jpg

20200816_124702.jpg

20200816_143546.jpg

20200816_114706.jpg

20200816_122300.jpg

Cascais | Monumento ao Regimento de Infantaria 19

15
Abr21

Foi da Cidadela de Cascais que partiu para a batalha do Buçaco, em 1810, o Regimento de Infantaria de Cascais. O regimento ingressou no conflito sob o n.° 19 de Infantaria (janeiro de 1809), tendo regressado em 30 de agosto de 1814.

Aquartelado na Cidadela de Cascais de 1707 a 1834, o Regimento de Infantaria de Cascais ficou célebre pelas várias campanhas militares em que participou, das quais se destacam a Campanha do Rossilhão (1793-1795) e a Guerra Peninsular (1807-1814), nesta última já com a designação de Regimento de Infantaria 19, fruto das restruturações ocorridas em 1806. O regimento viria a ser extinto pelo então governador-geral de Portugal, Jean-Andoche Junot, a 22 de dezembro de 1807.

Até 1945, o feriado municipal de Cascais era comemorado a 30 de agosto, data que evocava o regresso apoteótico do Regimento à vila, em 1814.

A 12 de abril de 1921 foi inaugurado junto à Cidadela o monumento de homenagem ao Regimento de Infantaria 19, adquirido por intermédio de uma Comissão de Monumentos. Da autoria do escultor Artur Anjos Teixeira, a estátua, em lioz branco macio, representa um soldado com uniforme do período Napoleónico e está assente sobre uma grande peanha formada por rochas sobrepostas.

20200926_174346.jpg

20200926_174421.jpg