Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Amar Portugal

Porque amo este país que não me viu nascer e me senti inspirada pelas "Paisagens de Portugal" do Sapo Blogs.

Amar Portugal

Porque amo este país que não me viu nascer e me senti inspirada pelas "Paisagens de Portugal" do Sapo Blogs.

Direitos de autor

Todas as imagens deste blogue são da autoria de Isa Nascimento, estando protegidas por Direitos de Autor. Se as partilhar, deverá identificar a sua origem.

Arouca | Museu das Trilobites

11
Ago21

É no Museu das Trilobites, localizado no Centro de Interpretação Geológica de Canelas, concelho de Arouca, distrito de Aveiro, que se pode observar uma "excecional coleção paleontológica que alberga uma fauna de invertebrados fósseis do Ordovícico Médio, onde se destacam trilobites, bivalves, gastrópodes, cefalópodes, braquiópodes, crinóides, cistóides, hiolítideos, conulárias, ostracodes, graptólitos e icnofósseis."

Esta extraordinária coleção de fósseis resgatada ao longo de duas décadas de trabalhos industriais nas ardósias tem como principal atrativo o gigantismo ostentado por algumas espécies de trilobites, ao ponto de serem consideradas as maiores do mundo.

As trilobites terão existido no planeta durante cerca de 300 milhões de anos. Apareceram abruptamente na parte inferior do Período Câmbrico (com início há cerca de 550 milhões de anos) e extinguiram-se no final do Período Pérmico (há cerca de 230 milhões de anos), o último período da Era Paleozóica.

Vale a pena visitar!

20210611_120834.jpg

20210611_122515.jpg

20210611_120251.jpg

20210611_112015.jpg

20210611_121131.jpg

 

 

 

Dia Mundial da Terra | 22 de abril 2021 | Jardins de Monserrate | Sintra

22
Abr21

É em plena serra de Sintra que podemos encontrar os exuberantes jardins do Parque de Monserrate. 

Foi uma das visitas que mais gostei de fazer.💚

Constituindo uma das mais notáveis criações paisagísticas do Romantismo em Portugal, o Parque de Monserrate recebeu espécies vindas de todo o mundo, que foram organizadas por áreas geográficas, refletindo as diversas origens das plantas e compondo cenários ao longo de caminhos, por entre ruínas, recantos, lagos e cascatas. É assim, sobretudo graças à intervenção do paisagista William Stockdale, do botânico William Neville e do mestre jardineiro James Burt mas, acima de tudo, ao espírito romântico de Francis Cook, que podemos hoje encontrar no Parque de Monserrate cenários contrastantes que, ao longo de caminhos sinuosos e em convívio com espécies espontâneas da região, como os medronheiros de porte arbóreo, os já muito raros azevinhos e os imponentes sobreiros, surgem ancestrais fetos arbóreos e araucárias, agaves e palmeiras que recriam um cenário do México, camélias, azáleas, rododendros e bambus, lembrando um jardim do Japão.

20200816_125826.jpg

20200816_130522.jpg

20200816_130632.jpg

20200816_123356.jpg

20200816_124702.jpg

20200816_143546.jpg

20200816_114706.jpg

20200816_122300.jpg

Penela | Cascata da Pedra da Ferida

16
Mar21

A Cascata da Pedra da Ferida localiza-se na Serra do Espinhal, concelho de Penela, e tem acesso inicial pelo caminho da Ribeira da Azenha.

Eu admirei-a apenas do magnífico miradouro perto do lugar de Carvalha da Serra, também de difícil acesso por um estreito caminho pedonal, e compensou o tempo gasto para lá chegar. Pena que as minhas fotografias não façam jus à beleza da paisagem ao vivo... 

20200901_133718.jpg

20200901_133538.jpg

20200901_133905.jpg

Partilho um breve vídeo para uma melhor ideia da vista e do som do local 

 

Lisboa | "O mar começa na sarjeta" | Avenidas Novas

18
Fev21

Nem de propósito, ao abrir a publicação bimestral da Junta de Freguesia das Avenidas Novas, deparo-me com uma campanha de sensibilização para o problema do lixo na freguesia.

Além do lema habitual do "Lixo no chão não", criaram a campanha "O mar começa aqui" para recordar à população (porque são sempre muitos os esquecidos ) que o sistema de esgotos desemboca no mar.

Não podia deixar de partilhar. 

20210218_085631.jpg

20210218_085714.jpg

 

 

Lisboa | Expo | Arte Urbana 8

26
Jan21

JARDINS DA ÁGUA

Os Jardins da Água são um trabalho de equipa entre o arquiteto paisagista João Gomes da Silva e a artista plástica Fernanda Fragateiro.

Um longo curso de água percorre os três talhões do jardim em direção ao Tejo, simulando os cursos de um rio, desde a nascente até ao mar.

O detalhe mais emblemático do jardim encontra-se no Edifício da Cascata, que lança água sobre a praça principal. Por trás deste encontra-se o Lago Ulisses, serpenteando um passadiço de pedra sobre as suas águas até ao Jardim Hidráulico. Neste jardim encontram-se ainda réplicas das primeiras máquinas hidráulicas criadas pelo Homem, que funcionavam usando a força motriz da água, espalhadas por pequenos ilhéus, vegetação densa e passadiços de madeira. Infelizmente, esta parte dos Jardins foi drenada e as máquinas hidráulicas encontram-se danificadas e desativadas. 

Encontra-se na zona ribeirinha do Parque das Nações, em Lisboa, entre o Teatro Camões e o Oceanário, e é o meu local favorito da "Expo". 

20200802_155605.jpg

20200802_155414.jpg

20200802_155515.jpg