Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Amar Portugal

Porque amo este país que não me viu nascer e me senti inspirada pelas "Paisagens de Portugal" do Sapo Blogs.

Amar Portugal

Porque amo este país que não me viu nascer e me senti inspirada pelas "Paisagens de Portugal" do Sapo Blogs.

Direitos de autor

Todas as imagens deste blogue são da autoria de Isa Nascimento, estando protegidas por Direitos de Autor. Se as partilhar, deverá identificar a sua origem.

Sintra | Palácio de Monserrate | Exteriores

04
Mai21

É em 1846, depois de muitos proprietários, histórias, recuperações e abandonos, que Francis Cook, um comerciante inglês e colecionador de arte, se torna o proprietário da Quinta de Monserrate e o 1º Visconde de Monserrate. Ali manda edificar um palácio que combina influências góticas, indianas e sugestões mouriscas. Os motivos exóticos e vegetalistas da decoração interior prolongam-se harmoniosamente no exterior, que também foi reformulado e transformado num dos mais belos jardins botânicos portugueses.

O Governo Português adquiriu a propriedade e o palácio em 1949. Posteriormente, em setembro de 1978, o Palácio de Monserrate, com os seus jardins e mata, foram classificados como Imóvel de Interesse Público. São parte integrante da zona “inscrita" da Paisagem Cultural de Sintra, classificada pela UNESCO como Património Mundial da Humanidade em 6 de dezembro de 1995.

Em setembro de 2013, a recuperação do espírito romântico do Parque de Monserrate foi reconhecida internacionalmente como o melhor restauro de um jardim histórico na 4.ª edição do concurso European Garden Award, na categoria “Best Development of a Historic Park or Garden” (Melhor Desenvolvimento de um Parque ou Jardim Histórico).

20200816_135615.jpg

20200816_135428.jpg

20200816_135519.jpg

20200816_130540.jpg

20200816_130555.jpg

20200816_130654.jpg

20200816_130739.jpg

 

20200816_135946.jpg

20200816_140211.jpg

 

 

 

 

Dia Mundial da Terra | 22 de abril 2021 | Jardins de Monserrate | Sintra

22
Abr21

É em plena serra de Sintra que podemos encontrar os exuberantes jardins do Parque de Monserrate. 

Foi uma das visitas que mais gostei de fazer.💚

Constituindo uma das mais notáveis criações paisagísticas do Romantismo em Portugal, o Parque de Monserrate recebeu espécies vindas de todo o mundo, que foram organizadas por áreas geográficas, refletindo as diversas origens das plantas e compondo cenários ao longo de caminhos, por entre ruínas, recantos, lagos e cascatas. É assim, sobretudo graças à intervenção do paisagista William Stockdale, do botânico William Neville e do mestre jardineiro James Burt mas, acima de tudo, ao espírito romântico de Francis Cook, que podemos hoje encontrar no Parque de Monserrate cenários contrastantes que, ao longo de caminhos sinuosos e em convívio com espécies espontâneas da região, como os medronheiros de porte arbóreo, os já muito raros azevinhos e os imponentes sobreiros, surgem ancestrais fetos arbóreos e araucárias, agaves e palmeiras que recriam um cenário do México, camélias, azáleas, rododendros e bambus, lembrando um jardim do Japão.

20200816_125826.jpg

20200816_130522.jpg

20200816_130632.jpg

20200816_123356.jpg

20200816_124702.jpg

20200816_143546.jpg

20200816_114706.jpg

20200816_122300.jpg

Lisboa | Arte Urbana | Reminiscência de Almada Negreiros

24
Mar21

É na Ribeira das Naus, bem pertinho da estação de Cais do Sodré em Lisboa, que se pode contemplar este monumento dedicado a José de Almada Negreiros.

Da responsabilidade da Câmara Municipal de Lisboa, a obra Reminiscência de Almada Negreiros representa os famosos "olhos de Almada a olhar para nós" e é da autoria de Catarina Almada Negreiros e Rita Almada Negreiros.

Foi inaugurada em julho de 2013 no âmbito das comemorações dos 120 anos do nascimento do artista, mas eu só reparei nela no verão passado... 

20201017_105833.jpg

 

Lisboa | Arte Urbana | Bordalo II 5

05
Mar21

Guaxinão, Centro Cultural Belém, Lisboa

Foi em abril de 2015 que Bordalo II criou o “Big Racoon”, a primeira peça que vi deste jovem artista e que me fez admirá-lo de imediato.

O Guaxinão foi construído no âmbito da exposição "Panico , Drama, Terror ", uma intervenção de Arte Urbana com o apoio da galeria Arte Periférica , numa parede pertencente ao Centro Cultural de Belém, em Lisboa. Volvidos quase 6 anos, continua admirável.

20180901_112155.jpg

 

Lisboa | "O mar começa na sarjeta" | Avenidas Novas

18
Fev21

Nem de propósito, ao abrir a publicação bimestral da Junta de Freguesia das Avenidas Novas, deparo-me com uma campanha de sensibilização para o problema do lixo na freguesia.

Além do lema habitual do "Lixo no chão não", criaram a campanha "O mar começa aqui" para recordar à população (porque são sempre muitos os esquecidos ) que o sistema de esgotos desemboca no mar.

Não podia deixar de partilhar. 

20210218_085631.jpg

20210218_085714.jpg