Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Amar Portugal

Porque amo este país que não me viu nascer e me senti inspirada pelas "Paisagens de Portugal" do Sapo Blogs.

Amar Portugal

Porque amo este país que não me viu nascer e me senti inspirada pelas "Paisagens de Portugal" do Sapo Blogs.

Direitos de autor

Todas as imagens deste blogue são da autoria de Isa Nascimento, estando protegidas por Direitos de Autor. Se as partilhar, deverá identificar a sua origem.

Ericeira | A Capela de Nossa Senhora da Boa Viagem

14
Jun22

A Capela de Nossa Senhora da Boa Viagem encontra-se no centro da Ericeira e tem uma vista lindíssima sobre o Atlântico e a praia dos Pescadores.

A história da fundação da capela não é clara, mas sabe-se que sofreu ao longo do tempo diversas ampliações e obras antes de se tornar no edifício que podemos ver hoje e que remonta ao século XVII.

Em 1609 era a sede onde decorriam as reuniões da Confraria de Nossa Senhora da Boa Viagem dos Homens do Mar e em tempos idos servia também de farol, assinalando a entrada dos barcos no porto e anunciando temporais.

Atualmente é um local de celebração das festas que se realizam anualmente no terceiro fim de semana de agosto em honra de Nossa Senhora da Boa Viagem, padroeira dos pescadores da Ericeira.

20220425_114056 

 

20220425_114141

Vista do largo da capela sobre o Atlântico e a Praia dos Pescadores

20220425_120302

 

 

 

Ericeira | Detalhes da Vila

09
Jun22

A Ericeira é uma pequena vila piscatória pertencente ao concelho de Mafra.

Situada a 35 km a noroeste do centro de Lisboa e a 8 km de Mafra, a vila tornou-se um local turístico devido às suas praias, às condições propícias à prática de surf, ao Festival do Ouriço-do-mar, que vai já na sua 6.ª edição, e ao facto de estar ligada à constituição da República Portuguesa por ter sido o local de partida da família Real para o exílio a 5 de outubro de 1910.

É também na Ericeira que se situa a discoteca mais antiga de Portugal e da península ibérica, o Ouriço, fundada a 29 de agosto de 1960. Uma pequena vila com uma grande história.

20220424_144240 

Praia dos Pescadores

20220424_143921 Discoteca Ouriço

20220424_144039

 Fonte do Casino  20220424_190245

 

20220424_190049

 

 

Lisboa | Monumento ao Calceteiro

25
Nov21

O Monumento ao Calceteiro, da autoria de Sérgio Stichini, é uma obra de homenagem a esta figura típica de Lisboa na execução da sua arte, a tão conhecida calçada artística portuguesa.

Com uma área de cerca de 30 m2, traduz um conjunto escultórico composto por duas estátuas de corpo inteiro, em bronze, (um calceteiro a cortar pedra e um ajudante com um maço a bater a pedra), enquadradas por um trabalho em calçada portuguesa, representando uma barca de São Vicente, símbolo de Lisboa, realizada, com mais de 10.500 pedras, pelos calceteiros municipais.

Esta estátua foi inaugurado na Rua da Vitória em Dezembro de 2006 e recolocada na Praça dos Restauradores, junto ao Hotel Avenida Palace, em Junho de 2017.

Pavimento: Barca de São Vicente em calçada portuguesa

Fonte: Diretório da Cidade de Lisboa

20180213_154722

20180213_154802

 

Lisboa | Estufa Fria | Lago e elementos decorativos

21
Set21

O enorme espaço verde que constitui a Estufa Fria é composto por quatro áreas distintas: um grande lago exterior e três estufas. Desenvolve-se em diversos planos em declive, caracterizados por arruamentos e patamares entrecruzados, escadarias e vários elementos decorativos, nomeadamente elementos de estatuária, como "Vento Garroa", de Domingos Soares Branco, "Nu de Mulher", de Anjos Teixeira (filho), "Menina calçando a meia", de Leopoldo de Almeida, e ainda regatos, cascatas e nichos, grutas, lagos e fontes.

Figura feminina despida, Lago da Estufa Fria, de Anjos Teixeira (filho), executada em 1970

20210817_145848

Figura Vento Garroa, Lago da Estufa Fria, de Domingos Soares Branco, executada em 1954

20210817_150651

Fonte, na Estufa Fria

Nicho e caminho, na Estufa Fria

Ponte, na Estufa Fria

20210817_143132

Lago, na Estufa Quente

20210817_140829

 

 

 

Lisboa | Estufa Fria

14
Set21

Não sei já há quantos anos tinha vontade de conhecer a Estufa Fria, situada dentro do parque Eduardo VII, em Lisboa. Um gigantesco jardim (área superior a 1 ha) escondido numa antiga pedreira, que passa despercebido aos menos atentos.

Consegui fazê-lo este ano. 

Fiquei assim a saber que se trata na verdade de 3 estufas: a Estufa Fria, a Estufa Quente e a Estufa Doce.

Ao longo destes três ambiente diferentes, somos convidados a conhecer mais de 300 espécies originárias dos vários continentes. Gostei! 

Mas a tarefa de seleção das imagens para partilhar convosco foi uma tarefa difícil... 

20210817_134737

A Estufa Fria é a área principal e não tem qualquer sistema de aquecimento.

 

A Estufa Quente tem uma cobertura em vidro que possibilita o aquecimento do ar.

20210817_141126

A Estufa Doce, a mais pequenina, é também aquecida e alberga os cactos.

20210817_141249

20210817_141305