Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Amar Portugal

Porque amo este país que não me viu nascer e me senti inspirada pelas "Paisagens de Portugal" do Sapo Blogs.

Amar Portugal

Porque amo este país que não me viu nascer e me senti inspirada pelas "Paisagens de Portugal" do Sapo Blogs.

Direitos de autor

Todas as imagens deste blogue são da autoria de Isa Nascimento, estando protegidas por Direitos de Autor. Se as partilhar, deverá identificar a sua origem.

Aveiro | Passadiços de Aveiro

06
Out23

Tenho pessoas que estimo profundamente em Aveiro. Talvez por isso goste particularmente deste concelho tão marcado pelo Oceano e pela Ria.

Na última visita que fiz à cidade, tive a oportunidade de conhecer os passadiços de Aveiro (que o meus amigos chamam de "passadiços da Esgueira") inaugurados a 1 de julho de 2018, que convidam ao exercício físico e à observação da fauna e da flora da Ria de Aveiro.20230430_112609

Fazendo parte de um projeto mais vasto, a Via Ecológica Ciclável, o troço de Aveiro inicia-se no final do Canal de S. Roque (sob a ponte da A25), passa pelo Cais da Ribeira de Esgueira e termina em Vilarinho, junto ao Rio Novo do Príncipe, estendendo-se através de uma paisagem lagunar ao longo de um percurso com uma extensão de 7,25 km (dos quais 2,8 km em passadiços).

Este projeto permitiu um contacto muito próximo com esta zona da Ria, anteriormente inacessível à população, e proporciona um magnífico encontro com a natureza.

20230430_105819

20230430_113058

20230430_113926

20230430_130311

20230430_131903

Murtosa | Cais do Bico

31
Mai23

Situado na Murtosa, uma vila portuguesa do distrito de Aveiro e sede do Município, o Cais do Bico foi uma excelente surpresa entre os vários pontos de interesse que as margens da Ria de Aveiro oferecem.

20230501_104712

No site da Câmara Municipal da Murtosa pode ler-se que "o Bico apresenta o maior complexo de cais do Concelho da Murtosa" e que foi "outrora um dos mais importantes locais de descarga de moliço, de sal e de materiais de construção". Em meados do século XX albergaria mais de 250 barcos moliceiros e chegou a ter um estaleiro naval. 

Continua a ser a base de trabalho para muitos pescadores murtoseiros e no seu porto de abrigo pode ainda encontrar-se um grande número de barcos, entre eles os tradicionais moliceiros da Ria de Aveiro.

A infraestrutura atual foi inaugurada em maio de 2008 e requalificada em 2012. Disponibiliza parques de merendas, área de serviço para autocaravanas, balneários e circuitos desportivos.

No "bico" encontra-se o Monumento ao Barco Moliceiro, que nos oferece uma magnífica vista da Ria de Aveiro e da praia do Bico, o areal a poente designado área balnear desde 2016 e onde tive a oportunidade de observar uma colónia de flamingos.

 20230501_110255

20230501_111116

Baixa da Banheira | Parque Municipal José Afonso

23
Mar23

O Sapo pediu uma flore eu resolvi dar-lhe um monte delas!

Para isso fui ao meu arquivo fotográfico e lá as encontrei.

Como os acasos da vida estão sempre a espantar-nos, depois de as escolher verifiquei que estas fotografias foram tiradas há exatamente 4 anos, neste mesmo dia 23 de março, mas de 2019. São todas do Parque Municipal José Afonso, na Baixa da Banheira, concelho da Moita.

Um agradável parque urbano ribeirinho que se estende por 25 hectares de zonas verdes e acompanha o recorte natural das margens do rio Tejo.

Para quem achar estranho o nome da vila em que se situa, saiba que o topónimo Baixa da Banheira vem precisamente por se encontrar nas "terras baixas da Banheira do Tejo".

Obrigada! - 2

20200307_154415

20230520_174201

20230520_174227

Parque Municipal José Afonso - Baixa da Banheira

Lixo, falta de manutenção e chuva forte

13
Dez22

Mais uma manhã de caos em Lisboa e prevê-se que não seja a última.

O mau tempo ainda nos acompanhará mais alguns dias. 

Bem sei que é difícil gerir estas fases.

Em todos os países ditos "desenvolvidos" acontecem situações destas, em que os fenómenos da natureza são muito mais fortes do que as estruturas construídas pela humanidade, mas nunca aprendemos.

Nunca antecipamos.

Nunca jogamos pelo seguro. 

Segundo dizem os cientistas, os "desastres naturais" serão cada vez mais fortes e frequentes, levando-nos a períodos de seca extrema, cheias torrenciais, incêndios, tempestades...

Questiono-me sobre o que vamos fazer sobre isso.

Sinto-me frustrada... em Lisboa parece que está a ser construída uma megaestrutura para recolha e retenção destas águas. Mas ainda demorará a concluir.

E até lá?

E nas restantes regiões vulneráveis do pais, o que se está a fazer?

Não sei.  Pode ser responsabilidade minha por não procurar essa informação, mas não sei o que é que as organizações públicas e privadas estão a fazer sobre isso. E isso deixa-me angustiada e preocupada.

Acima de tudo porque a responsabilidade não é só dos que "mandam" e governam. 

20221213_084657

Calçada da Palma de Baixo
Lisboa
13/12/2022

 

 

Lisboa | Estufa Fria | Lago e elementos decorativos

21
Set21

O enorme espaço verde que constitui a Estufa Fria é composto por quatro áreas distintas: um grande lago exterior e três estufas. Desenvolve-se em diversos planos em declive, caracterizados por arruamentos e patamares entrecruzados, escadarias e vários elementos decorativos, nomeadamente elementos de estatuária, como "Vento Garroa", de Domingos Soares Branco, "Nu de Mulher", de Anjos Teixeira (filho), "Menina calçando a meia", de Leopoldo de Almeida, e ainda regatos, cascatas e nichos, grutas, lagos e fontes.

Figura feminina despida, Lago da Estufa Fria, de Anjos Teixeira (filho), executada em 1970

20210817_145848

Figura Vento Garroa, Lago da Estufa Fria, de Domingos Soares Branco, executada em 1954

20210817_150651

Fonte, na Estufa Fria

Nicho e caminho, na Estufa Fria

Ponte, na Estufa Fria

20210817_143132

Lago, na Estufa Quente

20210817_140829