Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Amar Portugal

Porque amo este país que não me viu nascer e me senti inspirada pelas "Paisagens de Portugal" do Sapo Blogs.

Amar Portugal

Porque amo este país que não me viu nascer e me senti inspirada pelas "Paisagens de Portugal" do Sapo Blogs.

Direitos de autor

Todas as imagens deste blogue são da autoria de Isa Nascimento, estando protegidas por Direitos de Autor. Se as partilhar, deverá identificar a sua origem.

Cascais | Monumento ao Regimento de Infantaria 19

15
Abr21

Foi da Cidadela de Cascais que partiu para a batalha do Buçaco, em 1810, o Regimento de Infantaria de Cascais. O regimento ingressou no conflito sob o n.° 19 de Infantaria (janeiro de 1809), tendo regressado em 30 de agosto de 1814.

Aquartelado na Cidadela de Cascais de 1707 a 1834, o Regimento de Infantaria de Cascais ficou célebre pelas várias campanhas militares em que participou, das quais se destacam a Campanha do Rossilhão (1793-1795) e a Guerra Peninsular (1807-1814), nesta última já com a designação de Regimento de Infantaria 19, fruto das restruturações ocorridas em 1806. O regimento viria a ser extinto pelo então governador-geral de Portugal, Jean-Andoche Junot, a 22 de dezembro de 1807.

Até 1945, o feriado municipal de Cascais era comemorado a 30 de agosto, data que evocava o regresso apoteótico do Regimento à vila, em 1814.

A 12 de abril de 1921 foi inaugurado junto à Cidadela o monumento de homenagem ao Regimento de Infantaria 19, adquirido por intermédio de uma Comissão de Monumentos. Da autoria do escultor Artur Anjos Teixeira, a estátua, em lioz branco macio, representa um soldado com uniforme do período Napoleónico e está assente sobre uma grande peanha formada por rochas sobrepostas.

20200926_174346.jpg

20200926_174421.jpg

 

 

Cascais | Estátua do rei D. Carlos I

13
Abr21

Foi a 28 de setembro de 1878, em comemoração do 15º aniversário do príncipe D. Carlos, que foram acesos os primeiros candeeiros elétricos em Portugal, na esplanada da Cidadela de Cascais.

No dia 1 de fevereiro de 2008, para assinalar a passagem de um século sobre a morte do rei D. Carlos I, assassinado em Lisboa a 1 de fevereiro de 1908, a autarquia de Cascais inaugurou a estátua criada pelo escultor Luís Valadares.

A estátua do rei D. Carlos I, instalada à entrada do Passeio de D. Maria Pia, junto à Cidadela e num dos acessos à marina, representa o monarca em pé, à beira da amurada do iate Amélia, a contemplar a baía de binóculos na mão e trajado com uniforme da Marinha. Foi fundida em bronze e assenta numa base em pedra "azulino de Cascais", bujardada "de modo a simbolizar o mar". A borda da embarcação é em aço, ferro, latão e madeira.

20200926_173653.jpg

20200926_173731.jpg

O olhar do rei sobre a baía

20200926_173820.jpg

 

 

 

 

 

Cascais | Cidadela

07
Abr21

A “Cidadela de Cascais” localiza-se na extremidade oeste da enseada de Cascais e constitui-se num complexo fortificado que compreende:

• a Torre de Santo António de Cascais;

• o Forte de Nossa Senhora da Luz de Cascais, e

• a chamada Cidadela de Cascais.

Este conjunto tinha a função de defesa daquele trecho da costa, que dava acesso à capital do país, Lisboa.

Em 2003 a Cidadela foi adquirida pela Câmara Municipal de Cascais para aproveitamento cultural e turístico. No final de 2011 abriu ao público totalmente remodelada, permitindo visitar e conhecer o Palácio da Cidadela, o museu da Presidência, a Pousada de Cascais e várias lojas de comércio e arte.

20200926_174241.jpg

Entrada do Forte de Nossa Senhora da Luz

20200926_174549.jpg

Praça central, que dá acesso à zona comercial, à Pousada de Cascais e ao Palácio da Cidadela

20200926_174713.jpg

20200926_174651.jpg

As duas fachadas do Palácio da Cidadela, atualmente a residência de verão do Presidente da República

20200926_173044.jpg

 

 

 

Penela | Castelo

09
Mar21

O Castelo de Penela localiza-se na vila com o mesmo nome, no distrito de Coimbra. Trata-se de uma fortaleza medieval classificada como Monumento Nacional desde 1910, restaurada pela primeira vez nos anos de 1940. A partir de 1992, e já a cargo do IPPAR procedeu-se à pavimentação dos acessos e da circulação interior do castelo, à limpeza, recuperação e consolidação das muralhas, à beneficiação do caminho de ronda com a colocação de passadiços que permitem o percurso pedonal na quase totalidade do perímetro.

Encontra-se no topo de uma uma escarpa calcária, está bem conservado e oferece uma vista magnífica sobre a vila e a serra da Lousã.

20200901_123444.jpg

 

20200901_124754.jpg

20200901_124915.jpg

20200901_125056.jpg

20200901_125212.jpg

 

20200901_125026.jpg

20200901_125537.jpg

20200901_130059.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Ferreira do Zêzere | Dornes | Recantos

14
Jan21

Dornes, aldeia vencedora das Sete Maravilhas de Portugal na categoria Aldeias Ribeirinhas, usualmente chamada de Península Encantada ou Terra Mítica dos Templários, não demora mais que meia hora a percorrer a pé, mas só se não estivermos atentos aos inúmeros detalhes naturais e históricos que sobressaem a cada passo...

Situada no alto de uma península banhada pelo rio Zêzere, terá servido de ponto estratégico militar nos inícios da nacionalidade. Já foi sede de concelho, de freguesia e agora é simplesmente uma localidade

20200901_110029.jpg

20200901_111120.jpg

20200901_112012.jpg